Santiago Mataindios Y El Cerco Del Cusco ⋆ CAP 87870357

  • 284
Especificações
Título do ItemSantiago Mataindios Y El Cerco Del Cusco
Registro CAP Nº87870357
Tipo de ItemQuadro
Disponível para: venda
Autoria / MarcaEscola Cusquenha
Medidas60x77x15cm
Material UtilizadoÓleo sobre Tela
Proprietário(a) atualSuzana Pirani
Localização AtualBrasil
Conectividade CAPQR | NFC | URL
Código Estadual248.410.975.406
Selo Codificado em Barras60484020300
Código QR Externo*0000037*
Código de CoresA consultar...
Código do Solicitante01010011 01110101 01111010 01100001 01101110 01100001
Descrição

CAP: 87870357 – Santiago Mataindios Y El Cerco Del Cusco

Declaração do Proprietário:

Antigo e raro quadro de escola cusquenha retratando o Cerco o Sitio del Cusco realizado por Manco Inca, ” correspondente à descrição do quadro existe anteriormente na catedral de Cusco, famosa por estar localizada em frente à porta do perdão da Catedral, foi retirada nos primeiros anos da independência.: ” no gable daquele templo, que sai para a plaça, pintaram o Senhor Santiago, acima de um cavallo branco, com o seu adarga embraçada, e a espada na mão, e a espada era culebreada: tinha muitos índios abatidos aos seus pés. , mortos, e feridos. Os índios, vendo a pintura diziam: um viracocha como este, era aquele que nos destruía nesta plaça. A pintura deixei-a viva o ano de mil e quinhentos e sessenta, quando me vim para Espanha ” (Gomez Suarez de figueroa ” Garcilaso Da Vega “-1617)

→ Quadro a óleo 60x77cm possivelmente do inicio do séc XVII com pequeno furo na parte inferior, sem qualquer intervenção de restauro, com moldura de madeira e espelho

Ficha Positiva:

O quadro Santiago Mataindios Y El Cerco Del Cusco é uma obra de arte da escola cusquenha, tratando-se uma uma peça em constante valorização, contando com a disposição da certificação CAP que foi emitida diretamente para a atual proprietária, mesmo a obra contendo um furo em sua extremidade nada interfere em sua valorização, pelo contrário pois o próprio dano representa parte da história desta obra, expondo um pedaço do tempo que ha trouxe até a presente data, estando em perfeito estado de conservação, sem contarmos que existe uma grande busca de colecionadores e museus por obras de artes cusquenhas assim como este belo exemplar, tornando esta aquisição um investimento em plena valorização.

O atual proprietário garante a boa procedência e qualquer discrepância que desabone no que se refere a sua integridade, pode ser notificado nesta mesma página, no ícone de advertência disposto logo acima da imagem principal ou nos comentários ao final desta página, podendo esta certificação ser transferida para o novo investidor, atribuindo um histórico para a obra.

Ficha Negativa: 

Nada consta contra esta obra, quanto ao tema que toca no lado religioso, pode agregar ainda mais valor, pois além do vasto número de seguidores, ainda retrata um período que marca o desenvolvimento da igreja católica, este impacto emocional que mexe com a individualidade humana, deve sempre ser evoluído e esta obra é um grande convite para a continuidade deste conceito evolucional. Qualquer discrepância que desabone no que se refere a integridade desta obra, pode ser notificado nesta mesma página, no ícone de advertência disposto logo acima da imagem principal ou nos comentários ao final desta página.

Atenção: Avaliadores, curiosos e profissionais podem ser beneficiados, caso os mesmos apresentem comprovação que venha a ser agregada a esta certificação, seja por imagens, vídeos, áudio, depoimentos e afins comprovando a autenticidade e veracidade destas informações ou a negação das mesmas, colocando este item em sua certificação acima de qualquer suspeita.

Imagens do Item Certificado: 

RESUMO:

Esta peça é colecionável e de suma importância para a história, sendo um item de investimento que deve ser preservado e se encontra disponível para a aquisição de novos investidores, podendo você utilizar o campo de contatos ao lado ou solicitar apoio diretamente para a equipe do PRONEC, tornando assim a sua aquisição em uma negociação segura em um investimento duradouro, esta é mais uma oportunidade única para quem promove este tipo investimento.

Vamos agora conhecer um pouco da história…

Sitio del Cuzco

O sitio del Cuzco ou cerco de Cuzco ocorreu entre maio de 1536 e março de 1537, no âmbito da guerra de reconquista inca iniciada por Manco Inca contra os conquistadores espanhóis.

Pintura colonial no cerco de Cusco; você pode ver a praça Haucaypata ao fundo

Cuzco foi conquistada por uma expedição liderada por Francisco Pizarro em 15 de novembro de 1533, após derrotar o exército inca liderado pelo general Quizquiz. Um mês depois, os conquistadores entronizaram Manco Inca como um monarca fantoche para facilitar seu controle sobre o Império Inca.

Francisco Pizarro

As relações entre os incas e os espanhóis deterioraram-se rapidamente. Manco Inca era frequentemente humilhado pelos espanhóis e até por seus servos Incas. O Inca então avisou com seus parentes um plano para escapar e reunir um novo exército.

Manco Inca

O primeiro vôo foi frustrado pela ação de um traidor que o entregou. Manco Inca foi confinado em uma prisão em novembro de 1535. Em janeiro de 1536, ele foi libertado, pedindo um novo plano para deixar a cidade. Aproveitando a ganância dos espanhóis por metais preciosos, Manco deu a Hernando Pizarro uma estátua de ouro de Viracocha Inca, em tamanho real, garantindo que houvesse mais estátuas de reis incas escondidos em Lares, além de jarros cheios de ouro e prata.

Cego pela ganância, Hernando perguntou como ele poderia encontrar esse tesouro. Manco respondeu que esse era um empreendimento difícil, mas que se ele o deixasse sair da cidade, ele poderia localizá-lo e trazê-lo para dar a ele sozinho; Além disso, para encobrir o verdadeiro propósito de sua partida antes do resto dos espanhóis, ele pediu que Villac Uma (o sumo sacerdote inca) também saísse e anunciasse oficialmente que ambos iriam cumprir o ritual de funeral anual de Huayna Cápac.

Huayna Cápac

O comandante espanhol mordeu a isca e soltou ao Inca e da cidade Villac Uma, a 18 de abril de 1536, tornando-a promessa de retornar. No entanto, a verdadeira intenção de Manco era reunir seus generais e capitães para se rebelar contra os espanhóis. Villac Uma, cujo nome verdadeiro é desconhecido, agia como seu braço direito, incentivando e reunindo pessoas para a rebelião.

Hernando Pizarro, depois de perceber seu erro, liderou uma expedição contra o exército inca, que se reunira no próximo vale de Yucay. Este ataque foi um fracasso, porque os espanhóis subestimaram seriamente o tamanho do exército de Manco Inca. Ele, no entanto, não atacou Cusco diretamente, mas esperou até reunir todo o seu exército, entre 100.000 e 200.000 soldados com quem em 3 de maio de 1536, de acordo com a cronologia estabelecida pelo historiador José Antonio del Busto , iniciaram o cerco de Cusco contra as tropas espanholas compostas por 190 espanhóis (80 deles a cavalo) e alguns milhares de auxiliares indianos.

Local Cuzco

Manco Inca dividiu seu exército em quatro corpos: as tropas de Chinchaysuyo foram lideradas pelos generais Coyllas, Osca, Curi Atao e Taype; os de Collasuyo, os mais numerosos, foram liderados pelo general Lliclli; os de Contisuyo, pelos generais Sarandaman, Huaman Quilcana e Curi Huallpa; e os do antisuyo, principalmente flecheros e cerbataneros, pelos generais Rampa Yupanqui e Anta Allca.

O exército inca lançou um ataque em larga escala contra a praça principal da cidade, conquistando grande parte dela. Os 190 conquistadores comandados por Hernando, Juan e Gonzalo Pizarro, juntamente com escravos negros, nicaraguenses, guatemaltecas, chachapoyas, Canaris Huascaristas e milhares de índios auxiliares a seu serviço, tornaram-se fortes em dois grandes edifícios perto da praça central, onde chegaram rejeitar os ataques incas e lançou contra-ataques frequentes.

Ataque Sacsayhuaman

Após vários dias de luta, as tropas incas conquistaram a fortaleza de Sacsayhuamán, da qual a cidade era dominada, o que colocou os defensores espanhóis em sérias dificuldades.

Em resposta, cinquenta soldados a cavalo sob Juan Pizarro , acompanhados por auxiliares indianos, fingiram uma retirada e deixaram Cusco, cercaram a cidade e atacaram Sacsayhuamán de fora da cidade. Durante o ataque, Juan Pizarro foi atingido por uma pedra na cabeça e morreu vários dias depois devido a seus ferimentos.

No dia seguinte, as forças espanholas e seus aliados indígenas rejeitaram vários contra-ataques incas e tentaram um novo ataque noturno com paradas. Nesse ataque, eles controlaram os muros de Sacsayhuamán e o exército inca teve que se refugiar em duas torres do complexo. O comandante inca Paúcar Huaman decidiu deixar as torres com parte de seus soldados para ir a Calca (onde ficava o quartel Manco Inca) e retornar com reforços. Com o número de defensores diminuído, os espanhóis conseguiram conquistar o resto da fortaleza e, quando Paúcar Huaman voltou com reforços, encontrou-a sob firme controle espanhol.

Na defesa de uma das torres de Sacsayhuaman, destacou-se um “chefe orejón” (da realeza inca), chamado Cahuide pelos espanhóis, que, com uma maça de pontas de cobre, armaduras blindadas e escudos espanhóis, causou estragos entre os espanhóis que escalaram a fortaleza. Finalmente, eles atacaram com mais números, aniquilando a pouca resistência que restava. Hernando Pizarro, admirado pelo valor do capitão inca, ordenou que ele fosse capturado vivo. Mas Cahuide, quando ficou evidente que os espanhóis estavam conquistando a torre, se jogou no vácuo, envolvendo-se em seu manto.

Cercos mais tarde

Com a conquista de Sacsayhuamán, a pressão sobre a guarnição de Cusco foi aliviada, e a luta tornou-se uma sequência de escaramuças diárias, interrompidas apenas pela tradição religiosa inca de suspender a luta durante a Lua Nova.

Incentivado pelo sucesso, Hernando Pizarro liderou um ataque contra a sede da Manco Inca, que estava na época em Ollantaytambo, mais distante de Cusco. Os espanhóis enviaram um contingente de 100 soldados espanhóis e cerca de 30.000 aliados indígenas para atacar Manco Inca. Na batalha que se seguiu a Ollantaytambo, em janeiro de 1537, os espanhóis foram derrotados pelo forte contingente que estava na fortaleza, que também desviou o curso do rio Patacancha, neutralizando a cavalaria espanhola.

A guarnição espanhola teve mais sucesso em várias expedições para conseguir comida nas regiões da cidade, que conseguiram aumentar seus suprimentos.


Catedral Basílica da Virgem da Assunção

Após a vitória de Ollantaytambo, Manco Inca tentou fazer um novo ataque a Cusco. No entanto, um jogo da cavalaria espanhola se encontrou por acaso com o exército inca, arruinando o fator surpresa. Naquela mesma noite, os espanhóis lançaram um ataque em larga escala, causando graves prejuízos aos incas.

Após dez meses de luta em Cusco, Manco Inca decidiu levantar o local e licenciar a maioria de suas tropas para evitar uma fome que se aproximava, já que os frutos das últimas colheitas estavam esgotados. Aconteceu que, sendo milhares de homens em pé de guerra, as mudas haviam sido negligenciadas e era necessário que os agricultores retornassem aos campos. O objetivo da Manco Inca, foi para retomar a campanha em tempos melhores, mas teve que lutar em duas frentes. Espanhóis e huancas.

Eventos subsequentes

Durante o cerco a Cusco, uma força sob o comando do irmão de Manco Inca, Quizu Yupanqui , atacou Lima , a cidade recém-fundada da costa, onde Francisco Pizarro estava. O exército inca foi derrotado, em parte graças à deserção da maioria dos soldados huancanos recrutados à força.

Expedição frustrada de Chile, Diego de Almagro retornou a Cuzco em 1537 e impôs sua autoridade sobre os irmãos de Francisco Pizarro, que tomou por várias semanas. O tenente de Pizarro, Alonso de Alvarado , marchou para detê-lo, mas foi derrotado em Abancay pela força combinada Almagro-Paullu Inca. Então ele empreendeu a campanha contra Manco Inca, dando-lhe uma derrota severa em Vitcos . O rebelde Inca então se refugiou em Vilcabamba , onde seria morto em 1542 por alguns almagristas.

INFORMAÇÕES SOBRE ESTE ITEM CERTIFICADO

Isenção de responsabilidade: Todos os resultados relacionados a este item representam a opinião de um ou mais profissionais da curadoria. Eles são baseados em conhecimentos e pesquisas significativas inseridas ou não neste conteúdo, que, na maioria dos casos representam a nossa melhor tentativa de classificar e autenticar este item. As visualizações podem mudar de tempos em tempos e novas informações podem se tornar disponíveis nesta mesma certificação, que, pode também mudar de titularidade sendo transferida para o novo proprietário, registrando no histórico do item. O PRONEC – Programa Nacional de Educação e Cultura reserva o direito de alterar sua determinação de autenticidade com base na revisão de novas informações atualizáveis. O PRONEC e seus executivos, funcionários, agentes, antecessores e sucessores não fazem e, em nenhum caso, serão responsáveis ​​por, ou considerados, como tendo feito, quaisquer garantias, ou representações, expressas ou implícitas, sejam de autoria, atribuição, procedência, período, cultura, fonte, origem ou condição de genuinidade em relação ao item aqui identificado, incluindo, sem limitação, qualquer atestado verbal feito em relação ao item certificado pelo PRONEC antes ou depois da emissão desta certificação, em consideração ao PRONEC que fornece o CAP – Certificado de Autenticidade PRONEC, o cliente, por meio deste, libera o PRONEC de qualquer responsabilidade ou dano, seja qual for real ou consequente, decorrente ou relacionado à emissão deste certificado, concluindo a validação do mesmo com a sua própria subscrição, junto a versão impressa da certificação CAP 100% anti-fraude, que deve acompanhar o item certificado com o selo inviolável do PRONEC e sua mini certificação CAP presa ao mesmo, facilitando a conectividade de acesso a esta certificação CAP online. 

0 Avaliações de Amadores e Profissionais

Seja o primeiro a comentar sobre esta Certificação CAP!

Certificações CAP Relacionadas